quinta-feira, 20 de outubro de 2016

AVERSUS, por ALEXANDRE MEIRA (Poema)


                  

O anjo caído é

ave que sucumbe,

Pois o teto sempre 

do solo se mira.

Desferida a pena,
                                     
tal sina, exílio:

Ao filho, o pai perdoa

                   que voa ao esperar findo

Indo tocando harpas

                   farpas nos dedos tortos

mortos sem poesia.

                   Estrela sem brilho,

trilho sem horizonte
                   
                   Ente que se faz distante
                   
                   Sem antes se distar aos poucos.

Rouco

pelos apelos.

                   Por tê-los,

aversus ao espelho,

centelha que consome as asas

com um coral de querubins a                

vê-lo.

Caído eternamente em pranto,

ouvindo cântico de sussurrar singelo,

ante o martelo de crucificar enfermos.












Nenhum comentário:

Postar um comentário