quarta-feira, 3 de maio de 2017

Atire a primeira pedra, por Mauro Iasi.




O sangue ainda manchava a areia onde tinha ocorrido a execução. As pedras e o muro testemunhavam as marcas da violência e na Polis não se falava de outra coisa. “Ela fizera por merecer”, diziam os cidadãos, como que desculpando-se da ignomínia, “a lei determina e nossos valores condenam, ela sabia.”
Foi quando veio a notícia de que entre os que atiraram as pedras havia pelo menos seis cidadãos que praticaram o mesmo ignóbil ato. Justo eles, que ergueram as pedras com mais raiva, gritando xingamentos e bradando loas às nossas leis e tradições. A reprovação dos olhares sérios – pelo menos assim parecia naquele momento – seguia-os quando foram levados à frente de todos.
Havia, no entanto, algo estranho. Os cidadãos se encontravam e se cumprimentavam respeitosamente, no entanto, em seus recônditos pensamentos repetiam como um mantra: “não me olhe assim, eu sei que tu também o fizeste, denuncia-me que te denuncio…”
E um denunciou o outro, que denunciou o próximo que reagiu denunciando os demais, até que quase todos estavam denunciados pelos denunciadores, que foram denunciados. Os magistrados, bem… os magistrados se punham solenes ao proferirem as sentenças e a declamarem os valores sobre os quais se fundou a gen que formou um dia nossa Polis, da vergonha, do profano e do sagrado… até que foram denunciados.
A noite que antecedeu o dia trágico correu calada. Nem o vento nas colinas próximas se mostrou confiante para dizer algo. As estrelas no oco do firmamento apenas olhavam incrédulas. A lua se ausentou…
Logo pela manhã os cidadãos começaram a chegar na Ágora, rostos severos, cenhos tensos. Os gritos e as falas incompreensíveis, os ataques, as pedras… Na ástey se ouvia tudo como um tumulto distante. Não se compreendia as palavras, era como um alvoroço de pássaros pegos em um incêndio, uma… barbárie.
As pedras voavam agudas até que encontravam rostos e crânios. O sangue jorrava, os gritos foram sucedidos por gemidos, murmúrios. Até que… silêncio. Um silêncio como nunca se ouvira. Os corpos jaziam retorcidos e as mãos como garras portavam dedos acusadores que apontavam em todas as direções.
Todos… cidadãos, prítanes, magistrados… arcontes epônimos, temostelas… e mesmo o arconte polemarco que deveria por função cuidar dos mortos, ali encontrava-se junto aos cadáveres. Todos… todos! Não sobrara ninguém!
A Polis estava vazia, tomada pelo cheiro ferroso de sangue e excrementos… ninguém!
Os honrados cidadãos da Polis tinham todos se digladiado uns aos outros e não sobrara mais nenhum dos seus membros. Restaram vivos apenas aqueles que não pertenciam à Polis: as crianças, as mulheres, os camponeses pobres da khora, os estrangeiros e os escravos; que se reuniram, enterraram os mortos, fizeram novas leis, e governaram a si mesmos.
Na Acrópole hoje se ergue um único monumento. Não aos deuses, nem aos magistrados, muito menos aos reis, mas àquilo que livrou a cidade de todos eles:. uma única e enorme… pedra.
***
Mauro Iasi é professor adjunto da Escola de Serviço Social da UFRJ, pesquisador do NEPEM (Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas), do NEP 13 de Maio e membro do Comitê Central do PCB. É autor do livro O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência (Boitempo, 2002) e colabora com os livros Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil e György Lukács e a emancipação humana (Boitempo, 2013), organizado por Marcos Del Roio. Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário