terça-feira, 23 de agosto de 2016

Para conhecer Hélio Oiticica: estética, ética, política, por Bruno Lorenzatto.

160815_Oiticica_cosmococa
Cosmococa, obra de Helio Oiticica no Inhotim
Experimentador incansável e profundo, ele demoliu os limites entre museu e rua e vinculou a arte à vida. É o que mostra Gonzalo Aguilar em livro essencial sobre o artista
Por Bruno Lorenzatto
Considerado um dos mais importantes artistas brasileiros da segunda metade do século XX, Hélio Oiticica realizou uma obra multifacetada, fortemente inventiva e experimental, cuja radicalidade expandiu as fronteiras da arte. Artista do museu e da rua, demoliu a barreira entre ambos: “o museu é o mundo”; questionou sem cessar os limites da arte, reinventando a si mesmo a partir de suas obras e experiências, que buscavam o encontro e a produção de singularidades que pudessem potencializar a vida. Do heroísmo marginal como resistência política às Cosmococas, que evocam o êxtase e o sublime, é possível dizer que Hélio fez de sua própria vida uma obra de arte, uma estética da existência. No decorrer dos anos, Oiticica irá cada vez mais fazer do trabalho artístico um “exercício experimental da liberdade”, como avaliou Mario Pedrosa – a elaboração de um vínculo entre arte e vida. Este vínculo é um dos temas centrais que atravessa o livro de Gonzalo Aguilar, Hélio Oiticica, a asa branca do êxtase (2016).
A investigação que lá se vai encontrar é uma análise da obra de Oiticica das décadas de 60 e 70 que estabelece conexões, endereçamentos e divergências com as vanguardas brasileiras, tendo como fio condutor as relações entre a estética e o “fora”, isto é, as forças éticas e políticas, em tempos de autoritarismo e invenção de resistências. Desde o modernismo da década de 20 – anterior à geração do artista – até o concretismo, o neoconcretismo, o tropicalismo e o cinema novo – meios nos quais Hélio se formou, atuou e manteve diálogos decisivos para arte – o autor cria constelações cujos desenhos e sentidos buscam questões que acossaram Oiticica durante sua curta existência.
Em meio ao turbilhão de acontecimentos sociais, perseguições e violências de Estado, a arte brasileira se debaterá contra as forças reacionárias responsáveis pela “noite negra” (como disse Hélio) que se abateu sobre a sociedade brasileira no período da ditadura militar. Gonzalo mostra como as forças sociais em confronto – devires a princípio não estéticos – serão incorporados na arte e em seu discurso, desestabilizando-a: “O âmbito da percepção se abre drasticamente e os materiais já não são aqueles que a tradição estética traz, e sim os que o mundo oferece.”
160815_parangolés_helio_oiticica_01
Parangolês: arte deslocada do campo intelectual para experiência
Daí também a valorização crescente do uso do espaço público, da intervenção na rua – cuja prática remonta às performances realizadas por Flávio de Carvalho na década de 30 (quando, por exemplo, caminhou, sem tirar o chapéu, em sentido contrário à multidão, numa procissão católica em São Paulo) –, da convivência de práticas plurais e imprevistas, sem a mediação do museu e suas regras de bom gosto, seus critérios políticos e econômicos de exclusão que permitem ou proíbem a entrada do artista e do espectador em suas salas: “O espaço público, entendido não como algo fixo e prévio, mas como um âmbito que se redefine permanentemente mediante práticas diversas, e não mais o museu, é o lugar onde se desenvolverão as disputas sobre o sentido das obras.”
Nessa aproximação da arte com a vida o corpo do artista (mas não só o dele) terá importância capital; ele vem a se tornar o que Pedrosa chamou de “máquina sensorial”. A ampliação da sensibilidade e das possibilidades do corpo passam a ser pensadas e experimentadas na invenção artística: “é a incorporação do corpo na obra e da obra no corpo”. Grande exemplo disso são os parangolés de Hélio, obras feitas para se vestir: capas esfarrapadas e assimétricas que fazem o corpo de quem as veste se colocar em movimento em busca de um equilíbrio impossível. Cada corpo com seus gestos, ritmos e danças particulares descobre uma nova maneira de incorporar a obra e de ser nela incorporado.
Para Aguilar, há um ponto de inflexão na trajetória de Hélio, um “buraco negro” para o qual tenderá toda sua obra a partir da década de 60, que advém de um acontecimento social e político, e marcará o “momento ético” do artista: em 1964, após matar acidentalmente o detetive da polícia, Milton Le Cocq, o bandido Manuel Moreira, conhecido pela alcunha de “Cara de Cavalo”, sofrerá uma perseguição implacável por parte da polícia que culminará em seu cruel assassinato. Há de se observar que o grupo extraoficial organizado pelos policiais para matar o bandido – a Scuderie Le Cocq – permaneceu em atividade durante muito tempo e ficou conhecida como um esquadrão da morte na época da ditadura.
160815_arte-contempornea-novas-linguagens-2012-34-728
Transformado em inimigo público número um, Manuel Moreira, que cometia pequenos delitos, é tomado como bode expiatório da violência e barbárie que deveria ser extinta do país. Rebaixado à condição de animal, besta, condição esta reforçada pelo apelido que remetia diretamente à animalidade, Cara de Cavalo – fará crer a mídia e a polícia – merecia um tratamento selvagem tal qual sua existência. Uma vez inumano, o marginal encontra-se apartado da esfera da legalidade e da justiça humana, “não pode ‘entrar’ na lei, que é seu único refúgio possível”. Morto com mais de 50 tiros pela polícia em Cabo Frio, o marginal fugia do Rio de Janeiro não para escapar da lei, mas em busca do seu amparo.
No ano seguinte, em 1965, à monstruosidade do assassinato Oiticica oporá uma obra em homenagem à Cara de Cavalo – que, diga-se de passagem, era seu amigo –, inaugurando assim a entrada de afetos ético-políticos em seus procedimentos. Bólide caixa 18 Poema caixa 2, Homenagem a Cara de Cavalo trata-se de um caixa preta com uma abertura na parte superior, uma vez aberta, há uma tela semitransparente através da qual se vê a foto do bandido morto revestindo as paredes da caixa. Na base há um saco transparente com pigmentos vermelhos, onde se pode ler:
Aqui está,
e ficará!
Contemplai
o seu
silêncio
heroico
O gesto de Hélio Oiticica, que evidencia a brutalidade à qual foi submetida Manuel Moreira com uma foto de jornal, desloca a figura do homem-animal morto do espetáculo midiático para o luto e a crítica. Uma reflexão sobre o estado policial que então se instalava no país. A obra faz visível o laço imposto pela sociedade que liga “o homem abandonado e o animal perseguido”. A imagem do corpo dilacerado e monumentalizado no interior da caixa assinala ainda a mutação do corpo anônimo em corpo infame a partir do seu encontro mortal com o poder. Operando uma fenda no espaço da arte, bólide caixa 18 é “uma abertura ao abjeto que comove o domínio do estético. Um abjeto a-estético.”
Assim Oiticica justifica seu trabalho: “O que quero mostrar (…) é a maneira pela qual a sociedade castrou toda a possibilidade de sua sobrevivência, como que fora ele uma lepra, um mal incurável – (…) a mentalidade mórbida e canalha de uma sociedade baseada nos mais degradantes princípios, como é a nossa, colaboraram para torná-lo o símbolo daquele que deve morrer, e digo mais, morrer violentamente, com todo o requinte canibalesco.”
Se Bólide 18 é, como afirma Gonzalo em uma de suas principais hipóteses, o eixo sobre o qual a obra de Oiticica não cessa de girar – a “origem velada” de sua (anti)estética –, é porque abriu possibilidades em sentidos diversos, a partir de um saber do corpo e de sua materialidade: “na arte, para introduzir o momento ético; na política, para trabalhar com os afetos e o fora da lei; no humanismo, para apresentar o infame, toda aquela região obscura à qual as luzes da razão não chegam e que emerge das entranhas da morte e da violência.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário