segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Somos todos responsáveis pelo fracasso deste país, por Sebastião Nunes.



Por Sebastião Nunes
Houve uma época, quando eu amadurecia intelectualmente, em que a filosofia dominante era o existencialismo, especialmente o existencialismo ateu. Era de um radicalismo estonteante ou, como escreveu Simone de Beauvoir, “todos somos responsáveis por tudo perante todos”. Falando da missão de quem escreve, Sartre, seu companheiro, disse: “A função do escritor é fazer com que ninguém possa ignorar o mundo e considerar-se inocente diante dele”. Em outras palavras, na opinião desses inimigos mortais do individualismo irresponsável, “ninguém é inocente”.
Esta expressão, “ninguém é inocente”, tornou-se paradigmática na minha geração, pelo menos para aqueles que se consideravam comprometidos com a ética e o futuro da humanidade. Muitos abdicaram, recuaram, fizeram-se surdos, cegos, mudos e foram ser felizes em outras praias, pois é extremamente difícil manter-se coerente. Foi de sua liberdade, da liberdade radical de dizer, escrever e agir, que Sartre, Simone e Camus nunca abriram mão, para o bem ou para o mal.
O CAVALEIRO DA ESPERANÇA
            “Kierkegaard é de longe o mais profundo pensador do século XIX”, curvou-se diante do dinamarquês um dos expoentes do pensamento filosófico do século XX, o austríaco Ludwig Wittgenstein. Filho de uma das famílias mais ricas da Áustria, Wittgenstein podia se dar ao luxo de abandonar a filosofia e se tornar jardineiro, como chegou a fazer depois de publicar seu extraordinário “Tractatus Logico-Philosophicus”, título assim mesmo, em latim, livro com que pretendeu resolver, em definitivo, todos os problemas da filosofia. Pretensão absurda? Nem tanto. Outro dos mais notáveis filósofos do século, Bertrand Russel, diante de carismático, polêmico, atrevido e genial Wittgenstein, chegou a considerá-lo seu herdeiro. Cansado de se embrenhar pelos inextrincáveis labirintos da abstração, Russel ansiava por encerrar seu trabalho, de preferência passando o bastão a um sucessor digno de seu talento.
             Mas Russel amava Wittgenstein que amava Kierkegaard que amava Regine Olsen, que não era filósofa e não se casou com nenhum deles. Como Kafka, que escreveu quase toda a sua obra para demonstrar ao pai não ser de todo inútil, Kierkegaard escreveu quase tudo para explicar a Regine que a merecia. Em ambos, o criador de absurdos literários e o pensador da radicalidade, faltava um quase nada, apenas coragem de sair da vida de papel para o mundo real. Bem ao contrário de Sartre que, já velho, ainda distribuía panfletos na rua, entre maoístas parisienses, e cujo lema sempre foi “O homem está condenado a ser livre”.
BOTANDO A MÃO NO FOGO
            Também para Kierkegaard o homem era radicalmente livre. E o homem mais livre que já existiu foi Abraão, o “herói trágico” ou, em outros termos, o “cavaleiro da fé”. Tinha liberdade absoluta para decidir o que fazer, senhor da vida e da morte e, no entanto, preso à fé no Deus que lhe prometera que “todas as nações da terra serão abençoadas em sua posteridade”. Paradoxalmente, era o menos livre de todos os homens, pois se havia comprometido pela fé. Se Deus lhe prometera imensa descendência, não havia como pôr em dúvida a ordem de Deus: “Tome o teu filho, o teu único filho, aquele que amas, Isaac; vai com ele ao país de Morija e, ali, oferece-o em holocausto sobre uma das montanhas que te indicarei”.
            Abraão estava velho, Isaac era o herdeiro, filho de sua velhice, a viagem durou quatro dias e, com tudo isto, em momento algum Abraão duvidou, nem mesmo quando ouviu: “teu único filho, aquele que amas...”.
            Essa fé desesperada era o que maravilhava o filósofo. Em sua fé absurda, Abraão esteve absolutamente só, durante os quatro dias de viagem, ele, a mula e o menino, buscando a montanha, preparando-se para sacrificar o filho em nome da fé, ou seja, em nome do compromisso que assumira com seu Deus, que lhe falava.
DE ABRAÃO AO NOSSO TEMPO
            Todos conhecem o final da história. No momento em que se preparava para sacrificar o filho, quando ergue a faca, eis que surge um cordeiro para ser imolado – salva-se a fé, e com ela o compromisso da fé.
            “Temor e Tremor”, o livro de Kierkegaard sobre o “cavaleiro da esperança”, narra apenas isto: a absoluta confiança de Abraão na promessa de Deus, de que “todas as nações da terra seriam abençoadas em sua posteridade”. É uma breve reflexão – breve em termos filosóficos, pois todos os filósoficos adoram imensos calhamaços, inclusive os desmedidos arrazoados do próprio Sartre – sobre liberdade, solidão e fé. Tornando-se absolutamente responsável pelo próprio destino, Abraão também se torna absolutamente solitário. Ao mesmo tempo, e nas palavras de Kierkegaard, “por ele se viu no mundo o que era ter esperança”. Ele se colocou, pela fé, acima do desespero e dos outros homens. Não sendo inocente, já que aceitou sacrificar o filho, se tornou responsável por tudo perante todos. Kierkegaard assinou o livro com um pseudônimo definitivo: Johannes de Silentio.
            Os existencialistas reivindicavam, como precursores, Schopenhauer, Nietzsche e Dostoievski, além de Kierkegaard. Todos deram sua contribuição na ambiciosa tarefa de pensar o sentido ético da vida humana. Se estivessem vivos, seria com desesperançada desconfiança que veriam os rumos que tomamos. Se o homem está condenado à liberdade, conforme seus princípios básicos, essa liberdade implica responsabilidade total e inabaláveis princípios éticos.
            Mas como pensar em ética e responsabilidade, quando a liberdade existencialista foi trocada pela individualista, absolutamente irresponsável, egoísta e predatória? Para o bem ou para o mal, cada época tem a liberdade – e os homens – que merece.
Ilustração: Intervenção sobre “O sacrifício de Isaac”, de Caravaggio


Nenhum comentário:

Postar um comentário