segunda-feira, 19 de setembro de 2016

ACORDE, por ALEXANDRE MEIRA (Poema).


 Resultado de imagem para esmola



Tantas  vezes

                       as vozes

sopraram as cordas das harpas dos deuses

de cera

             sobre a mesa

Minuano de acordes sutis

                                         desafinados

rompendo a barreira do som

                                     breado

                                    (breve e mal acabado)

por um brindar de pratos vazios

                                                     Cacos

de cera no meu mundo

ou pedaços de deuses na minha mão,

                            e as harpas?

Mudas nos alardes

                                alarmes de costelas nuas

Suas, sei que suas!

O calor afugenta as notas

                                         verdes e rotas

de um infortúnio plagiado. 

               Abram aspas deuses!

          Estilhaçados bradam em vão:

São hálitos secos arremessados a distância,

                                       horizontes vazios

sem éter e ânsia
                         
                             Eu sei,

                          o mal  estar 
                                                dalhaço de pratos

limpos causa medo.

                             Mas já cedo

a fome das harpas me acordou

                                                   com notas.





Nenhum comentário:

Postar um comentário