quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Golpe: Por que duas votações? Ora, saiba ler nas entrelinhas!, por Romulus .




 
Do Facebook de Maya Vermelha – a Chihuahua socialista (fiel escudeirinha de 'Romulus')
– Por que tanta preocupação de Temer e do PSDB com os direitos políticos de Dilma? Coisa curiosa, não?
– Temer tem ataque de pelanca e dá soco na mesa: "não tolerarei desaforos!"
– Recebe, de volta, valiosa lição de não outra que a Baronesa Margareth Thatcher, diva dos ultra-liberais que o acompanham.
– Aécio e Temer se falaram depois da votação de ontem? Bom, então a orelha de Renan Calheiros deve estar queimando até agora...
– E por último, a perfeita ilustração das expressões "ganhar perdendo" e, principalmente, "perder ganhando": Temer e Dilma!
*   *   *
Votação 1: Dilma afastada.
Votação 2: Dilma preserva direitos políticos.
Confuso?
Eu explico...
O PSDB manifestava quase desespero no início da sessão, lutando com afinco (demasiado sob qualquer ponto de vista) para garantir que Dilma perdesse também os direitos políticos.
Fazia isso mesmo com Lewandowski acenando explicitamente - varias vezes! - com uma suspenção de tudo para levar a questão de "1 ou 2 votações" ao STF.
Algo estranho...
Essa questão parecia algo menor, não?
O que ganhavam para se baterem tanto?
Por que tanta preocupação?
Crueldade?
Sim, porque parecia até chutarem cachorro morto: chegariam ao absurdo de impedir Dilma – aos 68 anos! – de ter mais 1 ano de trabalho - que lhe falta! - para que pudesse se aposentar com vencimentos integrais de...
– R$ 5 mil!
Isso porque não poderia nem dar aula numa universidade pública ou ser nomeada assessora em alguma das várias administrações do PT (e aliados) pelo Brasil.
Os golpistas já estavam muito mal na foto.
Por que piorarem ainda mais a ponto de saírem como vilões da Disney?
Eis minha avaliação, publicada no Twitter ao final da sessão de votação (horário daqui da Suíça, 5h para frente do Brasil):
"Nada é simples"
PS: Aécio e PSDB vão ao STF - com subscrição de Temer! - para tentar cassar direitos políticos de Dilma. Nada é gratuito: passam recibo do enorme temor que tem do mito já em construção.
Atualização: Já desistiram!
Quem sabe me (des) honraram com a leitura da primeira versão deste artigo, saída no final da votação, e perceberam que o recibo passado já estava maior que uma vaia olímpica no Maracanã:
Ah, a "empolgação" e a "espontaneidade" dos aplausos da Secretária (negadora) dos Direitos Humanos, Flávia Piovesan... nunca canso de rever e de republicar esse momento insólito.
*
Ok... então quer dizer que Temer e Aécio recuaram para não passar mais recibo?
Bom, faltou um pouco de coerência na implementação... na sequência Temer tem ataque de pelanca e passa maaaaais recibo:
– Grão-Mestre do Golpe, deixe-me humildemente oferecer uma liçãozinha de política.
Cortesia de Margareth Thatcher:
>> Ter poder é como ter reputação de moça honesta. Quem realmente tem, não precisa afirmá-la. Quem precisa é porque não a tem.
Olha, não nutro nenhuma simpatia pela Baronesa... mas tenho que admitir que sua síntese é perfeita.
Aliás, por falar na Baronesa Thatcher, por coincidência na semana passada a TV francesa retransmitiu a sua recente cinebiografia, “The Iron Lady”. Recomendo que o Sr. veja o filme.
Se lhe falta tempo, com tantos ativos do Estado para operar agora, limite-se a assistir os últimos 20 minutos. Tratam da sua derrocada.
Por favor, contenha o seu choque:
– Thatcher caiu traída por seus próprios aliados! Oh!
E por quê?
Porque não soube a hora de parar o avanço ultra-liberal. Seu poll tax, imposto a ser pago – com a mesma alíquota! – por todos os cidadãos, independentemente da renda, foi a gota d’água. Imagine o Sr.: do indigente ao bilionário... a mesma taxa!
Todo mundo do Partido Conservador quis sair de perto da “Dama de Ferro”, que virara então Dama de Césio137. Rebelaram-se. E a “vencedora da Guerra Fria” foi avisada – em Paris, onde celebrava a vitória – que tinha caído.
Mas não é por nada não... recomendo o filme apenas por interesse artístico: a atuação premiada de Meryl Streep.
Não tem nada a ver com a desvinculação do piso do INSS ao salário mínimo. Nem tampouco com a previsível reação de 5 mil e tantos prefeitos – mais importantes cabos eleitorais de parlamentares, como o Sr. bem sabe – diante do congelamento das receitas para saúde e educação em níveis mínimos históricos por 20 anos.
Esqueça tudo isso!
Foco na Meryl!
Ah...
E, por favor, tire-me uma dúvida depois:
– A Baronesa Thatcher era moça honesta ou poderosa?
Não a vi afirmar de si nem uma coisa nem outra. Em momento algum do filme... nem mesmo quando estava prestes a cair, imagine o Sr.!
*
Por favor, deixe a sua interpretação aqui nos comentários mesmo, Grão-Mestre.
Não darei outro meio de contato...
Meu email pessoal eu guardo apenas para gente honesta.
Ou poderosa!
*
PPS: Orelha de Renan Calheiros deve estar queimando. Imaginem os impropérios que Temer e Aécio não dedicaram a ele. Deu claro recado ao ocupante do Planalto sobre quem manda no Senado.
*
PPPS: As votações separadas, com a esdrúxula combinação (i) destituição + (ii) manutenção de direitos políticos cristaliza, acima de qualquer sofisma, a narrativa que entrará para a História:
(i) Dilma foi vítima de um golpe parlamentar;
(ii) Sofreu, no Presidencialismo, uma moção de censura, típica do Parlamentarismo, tão simplesmente pela articulação de uma maioria eventual contrária a si;
(iii) Prova-se, assim, que nunca houve crime de responsabilidade;
(iv) Ora, se crime houvesse, como admitir que o Senado não a fizesse pagar a pena cominada?
(v) No futuro, quando se procurar no dicionário a definição de "farsa político-institucional", lá estará um tal de "impeachment de Dilma Vana Rousseff" como a mais perfeita ilustração.
Se alguém tinha ainda alguma dúvida da implicação da votação contraditória para a consolidação da narrativa de "golpe", o tweet do Sr. Embaixador do Reino Unido no Brasil, abaixo, eliminou-a.
Sem contar com a ajudinha da imprensa estrangeira.


Pobre Vincent Benvis, correspondente simpático com quem de vez em quando troco tweets. Vai ser novamente infernizado por Lúcia Guimarães (por onde anda?) e por Mônica Waldvogel. Pior: por elas e pelo séquito de trolls que carregam nas bolsas.
*
PPPPS: Quem ainda duvida da validade das expressões paradoxais "ganhar perdendo" e, principalmente neste dia histórico, "perder ganhando"?
*
Um beijo, Presidenta Dilma!
Essa sim "mulher honesta"!
E não é "de ferro" como Thatcher não...
É de aço inox laminado a frio!
*   *   *
Por Ciro d’Araújo
Celso de Melo já foi dar entrevista para dizer a) que acha que a pena decorre da cassação b) que o supremo já decidiu q são penas diferentes no caso Collor e ele foi vencido.
Na mesma entrevista ele diz que não tem muito mais tempo no Supremo.  Ou seja, uma vaga está se abrindo...
Para mim, isso é parte do ACORDÃO, só que foi uma parte entre o Renan e o PT.  Vão precisar do PT para realizar o grande acordão sepulta-lava-jato.
Gilmar já decretou o fim.  Renan bateu o martelo agora definitivamente, e com a aprovação do PT.
A República de Curitiba vai saber em breve o que no Brasil o poder real está na praça dos 3 poderes e na bancada do JN.  Já tiveram os seus 5 minutos de fama, assim com a república do galeão os teve.
Alias, o poder real está no congresso, que foi colocado na praça dos 3 poderes no lugar central.  Nos tornamos um parlamentarismo de fato, senão de direito num passe de mágica.  São vários golpes dados de uma vez só.  São também 37 milhões de votos (na época, 70% dos votos válidos) que foram dados para o presidencialismo em 1993 que foram rasgados hoje ao se decidir que dá para fazer um impeachment sem crime.
Temer acha que governa, mas Renan lembrou ele hoje que, no Senado, manda ele.
Há um nível mínimo de competência e canalhice política que é necessário para governar nesse país-tabajara.  Dilma é honesta demais para isso, acreditou que essas nossas instituições tabajara estavam funcionando (tm).  Admiro muito ela por essa honestidade, mas nunca mais votarei nela, pela mesma razão.
Tem gente que é boa demais para algumas funções.
CANALHAS, CANALHAS, CANALHAS...
Só isso que se pode dizer.
PS: Desabafo e não digam que eu estou "blaming the victim", tive imensas dificuldades em votar nela na última eleição justamente por essas razões.  Mas vieram de Aécio né, o que vou fazer?
*   *   *
PMDB atuando
Por junior50
Uma manobra estratégica de Renan e comparsas, motivada por vários motivos políticos, que além de enviar um pouco sutil recado a Temer, mostrou ao novo governo e a seus apoiadores, que certo nível de resistência subsiste no Congresso, inclusive para "liberar" Dudu Cunha, de uma condenação ampla, e ainda, como um "bônus", manter uma porta de negociação com o PT.
Aliás, "matar" politicamente a Sra. Rousseff, seria uma tremenda burrice, bastou retira-la do Poder, mas mantê-la como possivelmente ativa - caso ela o deseje - pode prejudicar a Temer, como também ao próprio PT, pois podemos intuir que a Sra. Rousseff, se quiser, poderá requerer ao partido uma candidatura futura, a qual não poderá ser negada pelas instancias decisivas de seu partido. O que para muitos no PT não seria algo desejavel, sequer cogitado.
[Romulus: não apenas isso, caro Junior. Imagine Dilma – “a Senhora honesta e injustiçada que nada tinha a ver com a roubalheira do PT e do PMDB” - filiando-se ao PDT e sendo madrinha da candidatura de Ciro Gomes, muito mais leal durante o golpe do que todo o PT de SP junto...
Em tempo: Dilma nunca deixou de ser brizolista. Suas relações no PDT são ótimas. Saiu apenas para poder continuar no governo Olívio Dutra quando o PDT rompeu com esse. Saiu “pela porta da frente”]
Dilma a partir deste momento, desde que compreenda sua amplitude alcançada, pode vir a tornar-se, e tem espaço para, uma personalidade politica atuante, inclusive dentro de seu próprio partido.
Até creio, ninguém irá confirmar, que esta jogada - uma bela chicana - foi tramada anteriormente a votação.
*   *   *
Traidor Traído
Por Marcia Camargo
“Michel, o traidor traído” (ou, “o primeiro discurso é a primeira 'DR' ”), sobre a não cassação dos direitos políticos de Dilma:
>> ...Não podia ter sido assim. Isso aqui não é brincadeira. Não vamos caçar as bruxas aqui, mas não vamos tolerar. Tivemos hoje uma divergência, isso não pode ocorrer. Não dá para aliados nossos se manifestaremem plenário sem combinar conosco. Isso não pode parecer uma espécie de derrota. Uma derrota do governo. Poderia ter sido combinado. Seria visto como concessão nossa. Não pode por uma coisa assim pedir para sair do governo. Na verdade se Deus quiser ninguém vai sair do governo. A não ser... Agora se há quem não queira que o governo dê certo ... Mas eu quero deixar esse recado muito evidente.
Em Tempo: Aécio Néscio também tá raivoso. É que está mortinho de medo de Dilma sair pra Senadora em Minas derrotá-lo em casa, ou pra Presidenta em 2018...
*   *   *
(i) Acompanhe-me no Facebook:
(perfil da minha brava e fiel escudeirinha)
*
(ii) No Twitter:
*
(iii) E, claro, aqui no GGN: Blog de Romulus
*
Quando perguntei, uma deputada suíça se definiu em um jantar como "uma esquerdista que sabe fazer conta". Poucas palavras que dizem bastante coisa. Adotei para mim também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário