sexta-feira, 28 de abril de 2017

Deus joga dados em não-acontecimentos da Champ Elysées, por Wilson Roberto Vieira.



Nas imagens da CNN estranhamente a câmera parece dar a deixa para as ações na Champs Élysées: quando veem a câmera bombeiros e paramédicos começam a correr não se sabe para onde, enquanto cruza a cena policiais antimotim com escudos, capacetes fortemente armados em fila – para onde estão indo se a área foi isolada e o atirador já  está morto? Inúmeras anomalias marcaram mais um não-acontecimento às vésperas das eleições presidenciais na França. E como sempre (Londres, Berlim, Nice, Bataclan, Charlie Hebdo etc.) mais recorrências e sincronismos. Enquanto a Ciência tenta compreender a realidade a partir de fenômenos recorrentes e eventos sincrônicos, o Jornalismo ainda crê em acidentes, no acaso e nas fatalidades. Para a grande mídia, fora desse mundo no qual Deus parece jogar dados com os acontecimentos, estão à espera os paranoicos teóricos da conspiração. Mas dessa vez a “coincidência” entre os tiros no boulevard mais famoso do mundo e o debate eleitoral num estúdio de TV foi além da conta...
A busca por recorrências (regularidades mensuráveis e exteriores ao sujeito) é uma das abordagens do método científico. Procura por redundâncias que possam indicar padrões. Importante por apontar possíveis funções e interações até então desconhecidas. Tão importante que para a Teoria da Informação é o próprio fenômeno informacional: redundâncias são a base dos modelos matemáticos que permitem a codificação de uma informação.

Saindo das ciências exatas, existem também as denominadas “coincidências significativas”, que o psicanalista Carl G. Jung definiu como “sincronicidades” – acontecimentos que se relacionam não por relação causal, mas por relação de significado.

Porém, quando entramos no Jornalismo tudo muda de figura: se alguém procurar sentido em recorrências ou sincronismos será pejorativamente chamado de “teórico da conspiração”.

Por que toda semana ocorrem incêndios em favelas na cidade de São Paulo? Um repórter investigativo que abandonasse o “como” e procurasse o “porquê” nesse caso, seria no mínimo considerado um paranoico com viés esquerdista. Ora, incêndios acontecem. Ainda mais com tantos “gatos” com fios desencapados na rede elétrica desses lugares... Não importa se é um fenômeno eminentemente paulistano. Buscar conexões em recorrências pode “queimar” (desculpe o trocadilho) a carreira de um repórter.

O pior é que no jornalismo e nos fatos que a mídia cobre, além de recorrências e sincronismos ignorados, existem ainda anomalias – fatos que se assemelham a falhas narrativas, ou, como dizia o escritor Norman Mailer, “espasmos da realidade”.

Como, por exemplo, a estranha “gafe” de Donald Trump que em um discurso em fevereiro falou sobre um atentado na Suécia que até então não tinha ocorrido. Foi ridicularizado como um presidente “mentalmente perturbado”. Dois meses depois o mundo soube da morte de quatro pessoas atropeladas por um caminhão que invadiu uma calçada em Estocolmo. Previsão? Antecipação involuntária de agenda? Nunca vem ao caso – sobre isso clique aqui.

Recorrências, sincronismos e anomalias são desprezados pelo Jornalismo da grande mídia. São “teorias de conspirações”. Convém apenas reproduzir sempre as versões mais “críveis” das autoridades e das grandes agências de notícias internacionais.

Hipótese Fox Mulder


O próprio cinema parece reforçar esse estereótipo com personagens sempre histéricos, obsessivos e paranoicos envoltos com ideias fixas de conspirações. O que faz cair naquilo que o Cinegnose chama de “Hipótese Fox Mulder” – se o cinema transforma a busca por recorrências em ficção protagonizada por tipos sociopatas paranoicos, quando vemos no mundo real essa mesma busca imediatamente rotulamos como “coisa de cinema”, “conspirações hollywoodianas” etc. – clique aqui.

Por isso é simplesmente inacreditável como, em mais um ataque (dessa vez na icônica Champs Élysées), a grande mídia reporte a mesma cadeia de eventos, as mesmas anomalias e os mesmos sincronismos sem levantar uma simples questão: por que o mesmo modus operandi?

Enquanto era transmitido pela TV o último debate entre os candidatos à presidência, às 21 horas, em plena Champs Élysées, um Audi 80 prata parou ao lado de uma van da polícia estacionada em frente à estação de metrô Franklin Roosevelt. Um atirador (ou dois em outras versões) saiu do carro e abril fogo contra os policiais.

O que criou uma onda de pânico com pessoas correndo em todas as direções, turistas em fuga atropelando cadeiras e mesas de bares e restaurantes que apagaram as luzes para se proteger de outros possíveis disparos.


  Em uma eleição acirrada na qual os candidatos (Marine Le Pen da extrema-direita, Emmanuel Macron e François Fillon da direita e centro-direita e Jean-Luc Mélènchon da esquerda) estão quase empatados, a última semana foi marcada por especulações da grande mídia sobre supostas ameaças de novos atentados.

Dois dias antes do tiroteio, autoridades policiais anunciaram prisões de suspeitos de “mais um ataque frustrado” (clique aqui).

Pois aqui começam as recorrências, anomalias e sincronismos de mais um não-acontecimento.

Recorrências


(a) Um lobo solitário

Como sempre, mais um atirador solitário. Daqueles que, apesar dos extensos esforços da polícia e inteligência e do estado de emergência decretado na França desde os atentados anteriores, consegue escapar do radar da autoridades: condenado em 2005 por atacar policiais e preso nesse ano como “possível radical islâmico”, foi solto por “falta de evidências”. São os mesmos lapsos repetidos em incidentes como os de Nice.

(b) Queima de arquivo?

O desfecho dos ataques são aborrecidos e previsíveis: o vilão sempre morre como fosse alguma queima de arquivo. Se houvesse mesmo algum esforço dos líderes do Ocidente para desbaratar células terroristas e destruir o Estado Islâmico, seria prioritário a captura de terroristas vivos para interrogá-los. Mas mortos não falam...


(c) O suspeito notório

Dias antes, o primeiro ministro da França Bernanard Cazeneuve afirmou que 50 mil policiais e gendarmes, assim como sete mil soldados, foram mobilizados para salvaguardar as eleições e proteger locais de votação do terrorismo. Mas apesar de todo estado de emergência nacional, polícia e serviços de inteligência mobilizados, foram estranhamente incapazes de monitorar os passos de um suspeito preso e liberado nesse ano.

(d) Local icônico do atentado

Charlie Hebdo, Bataclan, Nice, Parlamento Britânico e Big Ben, boate Pulse e, agora, Champs Élysées com a imagem dominante do Arco do Triunfo. As imagens das tropas nazistas atravessando o Arco na ocupação de Paris na Segunda Guerra Mundial transformaram esse monumento em um ícone do século XX.

São lugares símbolos da democracia, liberdade de opinião e estilo de vida hedonista do Ocidente. Se argumentarmos que os terroristas procuram esses lugares justamente para tornar mais visíveis seus ataques como atos de propaganda, entraremos num raciocínio tautológico – acontecem para ocupar a mídia e a mídia os repercute alimentando mais atentados, resultando num fim em si mesmo.

Portanto esses ataques recorrentes abandonariam o campo do terrorismo internacional para ingressarem nos fenômenos midiáticos: os não-acontecimentos. De arma política para supostamente desestabilizar o Ocidente para uma prática diversionista midiática.


(e) Foi extremismo islâmico e não se discute!

Embora as autoridades policiais inicialmente relatassem uma tentativa de assalto, logo depois os dois lados quase simultaneamente vieram a público confirmar um atentado terrorista: em pronunciamento direto do Palácio do Eliseu, o presidente François Hollande confirmou a “ordem terrorista” e a sua “determinação para lutar contra o terrorismo” (mesmo que seja “queimando arquivos” vivos); e do outro lado, o grupo jihadista também com a rápida confirmação da Amaq, agência oficial do Estado Islâmico.

Aliás, notícia devidamente transmitida pela TV imediatamente após o debate entre os candidatos às eleições presidenciais.

(f) A “bala de prata”

Nas eleições brasileiras, sempre é disparada a chamada “bala de prata” para liquidar o adversário mais odiado pela grande mídia, no último instante, no fim da campanha eleitoral para impedir qualquer direito de resposta: a capa da revista Veja dizendo que “Lula e Dilma Sabiam”, o dossiê dos “aloprados do PT” e imagens das pilhas de dinheiro para pagá-lo etc.
Da mesma maneira os tiros na Champs Élysées foi a “bala de prata” mais previsível em uma eleição apertada na qual o tema mais explosivo era a questão dos refugiados, imigrantes e terrorismo. Cantada a bola por toda a semana pela grande mídia, a morte do policial no boulevard mais famoso do mundo a tiros foi um acontecimento oportuno a poucos dias das eleições.


(g) Pistas para facilitar a polícia

Desde os ataques do 11 de setembros nos EUA em 2001, sempre é encontrado junto ao corpo do terrorista morto, ou mesmo nas proximidade (no carro, jogado no chão, caído em um monte de lixo etc.) algo que identifique o atirador (ID, carteira de motorista etc.) ou que o caracterize como terrorista islâmico. Se essas variáveis não estiverem presentes, antes de perpetrar o massacre ou explodir a si próprio, ele simplesmente pode gritar “Allahu Akbar!” (“Deus é Grande”).

E na Champs Élysées foi encontrado perto do corpo da terrorista uma “nota que pode ter caído do corpo do atirador”: uma mensagem escrita à mão “em defesa do Estado Islâmico”. Além de massacrar, matar ou dar cabo de si mesmo, é incrível a preocupação doa terroristas em carregar alguma identificação... – clique aqui.

Anomalias


(a) A testemunha conveniente

Uma testemunha chamada Chelloug tornou-se a estrela da grande mídia. Com riqueza de detalhes descreveu o carro dos terroristas (Audi, velho, cinza...), a arma do atirador (uma russa Kalishinikov), a reação de pessoas na multidão, a reação dos turistas, o número de tiros (seis) etc. Uma riqueza de detalhes surpreendente para um ataque que pegou todos de surpresa - clique aqui para ver o depoimento pela Sky News.

              Pelo detalhismo das informações, por que ao invés de dar entrevistas não foi conduzido à delegacia para contar o que viu?


(b) Onde está todo mundo?

Champs Élysées é uma das áreas com o tráfego mais pesado em Paris, para a qual convergem multidões de turistas. Aliás, a escolha do local para o atentado faria todo sentido para um terrorista: provocar pânico e mortes em massa.

Porém, como mostra o vídeo acima com os supostos atiradores, no momento do ataque aos policiais na van não há um único carro passando ou pedestres à vista. Estranhamente parece que antes de tudo acontecer o local foi fechado para que a polícia tivesse todo o controle da cena.

(c) Ambiguidades

Pela história oficial o atirador fugiu e mais tarde foi morto a tiros. Mas, segundo a  testemunha-estrela, assim que o policial abriu a porta da van o terrorista caiu. Testemunhas não identificadas falaram em ter ouvido o que acharam ser de “fogos de artifício”. Outros, de imediato identificaram como tiros de uma arma.

Porém, o mais inacreditável é que o Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado glorificando o mártir errado: a agência Amaq alegou que o atirador era Abou Yousef al-Belgiki  (Abu Yousef, o belga). No entanto, o terrorista morto a tiros identificado era Karim Cheurfi (francês e não belga). Será que os serviço de segurança terá que mudar sua história quando a grande mídia descobrir que o atirador era francês?


(d) Sorria! Você está sendo filmado

As imagens transmitidas para todo o mundo impressionam: apesar do atentado supostamente ter apenas um atirador que já estava morto, víamos nas imagens uma fila de carros de polícia antimotim ocupando a Champs Élysées.

Toda a área foi isolada e a população retirada do local para a polícia ter controle total da cena. Para então observarmos anomalias parecidas com as observadas na cena do atentado de Berlim no final do ano passado quando um caminhão invadiu uma feira de Natal atropelando pedestres: policiais sorrindo e conversando animadamente mesmo diante de uma suposta tragédia.

Mas em Champs Élysées teve algo a mais: parecia que as câmeras davam a dica para as ações e deslocamentos de policiais, paramédicos e investigadores. Por exemplo, podemos observar nas imagens da CNN o seguinte: assim que veem a câmera, bombeiros e paramédicos começam a correr – onde estava a emergência? De repente param de correr quando pensam terem saído do foco da câmera e começam a rir - assista ao vídeo acima aos 4:29 min.

No meio de tudo cruza a cena bizarra uma fila de policiais antimotim com escudos, capacetes e armas apontadas para frente como estivessem prontos para alguma ação repressiva. Onde estava o motim? Qual era a ameaça se o atirador já estava neutralizado e a área isolada?

Tudo estranhamente parece lembrar a cidade de Seaheaven no filme Show de Truman: todos os figurantes tinham seus lugares marcados nas ruas para enganar o pobre Truman e fazê-lo acreditar que aquele programa de TV era a própria realidade.

Sincronismos


(a) Confirmação ao vivo na TV

Enquanto no debate ao vivo pela TV o principal tema era o extremismo islâmico, destacando que desde 2015 jihadistas já teriam mortos 238 pessoas na França, eis que chegam notícias de mais um atentado perto dali.

E, sincronicamente, logo após a fala da candidata de extrema-direita Marine Le Pen, como fosse uma triste confirmação da veracidade do discurso xenofóbico da candidata.


Como uma espécie de profecia autorrealizável, durante a transmissão das imagens de uma Champ Élysées com uma fila imensa de viaturas policiais com as giroflex piscando compondo a atmosfera de emergência e tragédia, repórteres e analista eram uníssonos: aquele ataque pode influenciar as eleições na França!

Tal afirmação repetida como um mantra certamente produzirá o efeito autorrealizável.

(b) Quem Ganha?

O que nos leva a essa pergunta simples e direta para qualquer repórter investigativo, assim como a famosa questão “follow the money” – “siga o dinheiro”.

Ninguém na grande mídia se pergunta o porquê do timing, oportunismo e a incrível sincronização dos tiros no boulevard mais famoso do mundo no momento em que, perto dali, acontecia um debate eleitoral decisivo.

De mesma forma como ninguém se incomoda pelo sincronismo perfeito dos incêndios semanais de favelas em São Paulo e os interesses da especulação imobiliária na cidade.

Quem sempre ganha com esses “acidentes” e “atentados”? Essa é uma pergunta que parece ser formulada apenas pelos chamados “teóricos da conspiração”. Jornalistas creem em coisas mais sérias e empíricas como o acaso, o aleatório, o acidente e a fatalidade.

Talvez seja alguma profunda convicção religiosa, tão extremista como a dos radicais islâmicos: Deus joga as nossas vidas com dados.

Com informações da Aangirfan, Sky News, Zero Hedge, YourNewsWire, Folha de São Paulo, Fake News Alert, Time World.

Postagens Relacionadas












Nenhum comentário:

Postar um comentário